terça-feira, 30 de agosto de 2011



Hay q tener cojones e braço forte para segurar um bom astral todo dia. A gente tem, e se não tem Deus dá, e se Deus não dá a gente inventa.

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 29 de agosto de 2011



"Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: Faz de conta que eu não sofro."

domingo, 28 de agosto de 2011

Esqueçe os números...


"Tenta te orientar pelo calendário das flores,
esquece, por um momento os números,
a semana, o dia do teu nascimento.
Se conseguires ser leve, aproveita,
enche tuas malas de sonho e toma carona no vento. "


Fernando Campanella


Um ponto importante: ir, sobretudo em frente.

Caio Fernando Abreu

sábado, 27 de agosto de 2011


 "Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem, não falariam."  
 
Nelson Rodrigues

sexta-feira, 26 de agosto de 2011



Tem coisas da gente que não são defeito nem erro: são só jeito da gente ser.

Caio Fernando Abreu

O que tem de ser, tem muita força. Ninguém precisa se assustar com a distância, os afastamentos que acontecem. Tudo volta! E voltam mais bonitas, mais maduras, voltam quando tem de voltar, voltam quando é pra ser.

Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Na infinita possibilidade...


"Não havíamos marcado hora, não havíamos marcado lugar. E, na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, nossos tempos e nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro."



(Rubem Alves)

 


Se algumas pessoas se afastarem de você, não fique triste, isso é resposta da oração: “livrai-me de todo mal, amém”.

Caio Fernando Abreu

Todos os sentidos, sem sentido



Sorrir com os olhos, falar pelos cotovelos, meter os pés pelas mãos. Em mim, a anatomia não faz o menor sentido. Sou do tipo que lê um toque, que observa com o coração e caminha com os pés da imaginação. Multiplico meus cinco sentidos por milhares e me proponho a descobrir todos os dias novas formas de sentir. Quero o cheiro da felicidade, o gosto da saudade, o olhar do novo, a voz da razão e o toque da ternura. Luto contra o óbvio, porque sei que dentro de mim há um infinito de possibilidades e embora sentimentos ruins também transitem por aqui, sei que devo conduzi-los com a força do pensamento até a porta de saída. Decidi não delegar função para cada coisa que eu quero. Nem definir o lugar adequado para tudo de bom que eu sinto. Nossos sentimentos são seres vivos e decidem sem nos consultar. A prova de que na vida, rótulos são dispensáveis e sentimentos inclassificáveis.

Fernanda Gaona


Rezo a Deus não pedindo cargas mais leves, e sim ombros mais fortes. E tenho repetido que no que depender de mim, me recuso a ser infeliz. As coisas vão dar certo. Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.

Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 24 de agosto de 2011



Não quero a boa razão das coisas. Quero o feitiço das palavras.


Manoel de barros